Santander e seu lixo cultural

Envolve desrespeito religioso e apoio a pedofilia. Mas uma pauta da agenda LGBT, querem destruir a família que é a instituição mais poderosa do mundo. O Banco Santander, multinacional espanhola, promoveu uma mostra com “obras de arte” que chocaram a sociedade e resultaram em mais de 100 mil contas correntes fechadas segundo o senador Magno Malta e processos movidos pelo Brasil com destaque para as ações do Deputado Federal Flavinho que é um ex-membro da Canção Nova e defensor dos valores cristãos no congresso nacional. As ditas obras de arte incentivam a pedofilia, zoofilia, homossexualismo, racismo, intolerância religiosa e tudo mais de ruim que existe neste mundo. Várias pessoas descurtiram perfis de redes sociais do Banco, os cristãos foram chamados a fecharem suas contas no Banco. E pra terminar toda essa bagunça foi patrocinada por incentivo fiscal, ou seja, dinheiro do nosso bolso. Quase 1 milhão de reais foram gastos na exposição. Não tenho conta no dito banco, não terei e cristão não deve abrir conta no Santander.

Os movimentos como ideologia do gênero e LGBT prega o respeito as suas reivindicações, mas ao mesmo tempo querem calar as opiniões contrárias com uma ditadura do silêncio. Não respeitam a Bíblia que é sagrada aos cristãos e chegaram nesta exposição a escrever nomes de baixo calão em replicas de hóstias- que para os cristãos é o próprio corpo de Cristo- isso é revoltante. O curador da exposição diz que as obras não tem conteúdo ofensivo, como assim? Criança Viada? Que termos são estes, querem fazer que a gente aceite tudo com a maior cara de paisagem. Senhor Gaudencio Fidelis um recado para vc: Estamos no maior país católico do Mundo, essas obras não passam de mero lixo, criação diabólica. Aos Senhores diretores de museu de artes do Brasil, parem de fazer de vítima. Não houve censura, houve o clamor de uma nação ainda muito católica que fez tremer um banco espanhol mas que tem a maior parte de seus lucros obtidos nessa Terra de Vera Cruz. A verdade é que obras como essas são dignas de se jogar no fogo, quem não respeita a fé e a crença do próximo como pode pedir respeito. Nós cristãos boicotamos esse banco, e a nação católica do Brasil, que comemora o 300 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida não podia deixar esse desrespeito passar batido. Afirmo como Cristão o seguinte: Sou contra o homossexualismo, mas respeito o homossexual ou LGBT como pessoa. Eu vos amo como Cristo assim me pediu.

 

Por Gilliard Monteiro