Primeiro Concílio de Nicéia – 325

Fresco in Capella Sistina, Vatican – http://ariandjabarimchenry.com/first-council-of-nicaea/

INTRODUÇÃO

Este conselho foi aberto em 19 de junho na presença do imperador, mas não se sabe quem presidiu as sessões. Nas listas existentes de bispos presentes, Ossius de Córdoba e os presbíteros Vitus e Vincentius são listados antes dos outros nomes, mas é mais provável que Eustathius de Antioquia ou Alexandre de Alexandria tenha presidido. (ver Decretos dos Conselhos Ecumênicos , ed. Norman P. Tanner SJ)

O texto em negrito na profissão de fé dos 318 padres constitui, de acordo com Tanner “As adições feitas pelo concílio a uma forma subjacente do credo”, e que o credo subjacente era muito provavelmente “derivado da fórmula batismal de Cesaréia colocada encaminhada pelo bispo daquela cidade Eusébio ”ou que“ se desenvolveu de uma forma original que existia em Jerusalém ou pelo menos na Palestina ”. “Uma descendência direta do credo de Eusébio de Cesaréia está manifestamente fora de questão.” Vol 1, p2)

O número 318 dado no título abaixo é de Hilário de Poitier e é o tradicional. Outros números são Eusébio 250, Eustátio de Antioquia 270., Atanásio cerca de 300, Gelásio de Cízico em mais de 300.

A PROFISSÃO DE FÉ DOS 318 PAIS

  1. Acreditamos em um só Deus, o Pai todo-poderoso, criador de todas as coisas visíveis e invisíveis. E em um Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, o unigênito gerado do Pai, que é da substância [Gr. ousias, Lat. substantia] do Pai, Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado [Gr. gennethenta, Lat. natum] não feito [Gr. poetenta, Lat. factum], CONSUBSTANTIAL[Gr. homoousion, Lat. unius substantiae (quod Graeci dicunt homousion)] com o Pai, por meio de quem todas as coisas vieram a existir, tanto as do céu como as da terra; para nós humanos e para a nossa salvação ele desceu e encarnou, tornou-se humano, sofreu e ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos céus, vem julgar os vivos e os mortos. E no Espírito Santo.
  2. E aqueles que dizem
    1. “Era uma vez quando ele não era”, e “antes de ser gerado ele não era”, e que
    2. ele veio ser de
      • coisas que não eram, ou
      • de outra hipóstase [Gr. hypostaseos] ou substância [Gr. ousias, Lat. substantia],
      afirmando que o Filho de Deus está sujeita a mudança ou alteração destes a igreja católica e apostólica anathematises .
    CANONS
    1. Se alguém doente foi submetido a uma cirurgia nas mãos de médicos ou foi castrado por bárbaros, que permaneça entre o clero. Mas se alguém com boa saúde se castrou, se estiver inscrito no clero, deve ser suspenso e, no futuro, tal homem não deve ser promovido. Mas, como é evidente que isso se refere àqueles que são responsáveis ​​pela condição e presumem se castrar, assim também se algum foi feito eunuco por bárbaros ou por seus mestres, mas foi considerado digno, o cânone admite tais homens para o clero.
    2. Uma vez que, seja por necessidade ou por demandas importunas de certos indivíduos, tem havido muitas violações do cânon da igreja, com o resultado de que homens que recentemente passaram de uma vida pagã para a fé após um curto catecumenato foram admitidos imediatamente para a lavagem espiritual, e ao mesmo tempo que seu batismo foi promovido a episcopado ou a presbitério, concorda-se que não seria bom que nada desse tipo ocorresse no futuro. Pois um catecúmeno precisa de tempo e mais provação após o batismo, pois as palavras do apóstolo são claras: “Não é um convertido recente, ou pode se ensoberbecer e cair na condenação e no laço do diabo”. Mas se com o passar do tempo algum pecado de sensualidade for descoberto em relação à pessoa e ela for condenada por duas ou três testemunhas, tal pessoa será suspensa do clero. Se alguém infringir esses regulamentos, estará sujeito a perder seu status clerical por agir em desafio a este grande sínodo.
    3. Este grande sínodo proíbe absolutamente um bispo, presbítero, diácono ou qualquer membro do clero de manter uma mulher que foi trazida para viver com ele, com exceção, é claro, de sua mãe, irmã ou tia, ou de qualquer pessoa que esteja acima suspeita.
    4. É desejável que um bispo seja nomeado por todos os bispos da província. Mas se isso for difícil por causa de alguma necessidade urgente ou da extensão da jornada envolvida, que pelo menos três se reúnam e façam a ordenação, mas somente depois que os bispos ausentes tenham participado da votação e dado seu consentimento por escrito. Mas em cada província o direito de confirmar o processo pertence ao bispo metropolitano.
    5. No que diz respeito aos excomungados, quer sejam clérigos quer leigos, a sentença deve ser respeitada pelos bispos de cada província de acordo com o cânone que proíbe aos expulsos por uns a admissão por outros. Mas que uma investigação seja realizada para determinar se alguém foi expulso da comunidade por causa de mesquinhez ou briga ou qualquer outra má natureza da parte do bispo. Consequentemente, a fim de que possa haver oportunidade adequada para investigação sobre o assunto, é acordado que seria bom que sínodos fossem realizados a cada ano em cada província, duas vezes por ano, para que essas investigações possam ser conduzidas por todos os bispos de a província reunida, e desta forma por consentimento geral, aqueles que tenham ofendido seu próprio bispo podem ser reconhecidos por todos como razoavelmente excomungados, até que todos os bispos em comum possam decidir pronunciar uma sentença mais branda sobre essas pessoas. Os sínodos serão celebrados nos seguintes momentos: um antes da Quaresma, para que, posta de lado toda a mesquinhez, o dom oferecido a Deus seja imaculado; a segunda após a estação do outono.
    6. Os antigos costumes do Egito, Líbia e Pentápolis devem ser mantidos, segundo os quais o bispo de Alexandria tem autoridade sobre todos esses lugares, visto que existe um costume semelhante com referência ao bispo de Roma. Da mesma forma, em Antioquia e nas outras províncias, as prerrogativas das igrejas devem ser preservadas. Em geral, o seguinte princípio é evidente: se alguém é feito bispo sem o consentimento do metropolita, este grande sínodo determina que tal pessoa não seja bispo. Se, entretanto, dois ou três, por motivo de rivalidade pessoal, dissentirem do voto comum de todos, desde que seja razoável e de acordo com o cânone da igreja, o voto da maioria prevalecerá.
    7. Uma vez que prevalece um costume e uma tradição ancestral segundo o qual o bispo de Aelia deve ser homenageado, que lhe seja concedido tudo o que deriva dessa honra, salvaguardando a dignidade própria do metropolita.
    8. No que diz respeito àqueles que se deram o nome de cátaros, e que de vez em quando vêm publicamente à igreja católica e apostólica, este santo e grande sínodo decreta que eles podem permanecer entre o clero depois de receber uma imposição das mãos. Mas antes de tudo isso, é apropriado que eles assumam por escrito que aceitarão e seguirão os decretos da Igreja Católica, ou seja, que estarão em comunhão com aqueles que entraram em um segundo casamento e com aqueles que decaíram no tempo. de perseguição e para quem um período [de penitência] foi fixado e uma ocasião [para reconciliação] atribuída, de modo a seguir em todas as coisas os decretos da igreja católica e apostólica. Assim, onde todos os ordenados em aldeias ou cidades forem considerados homens somente deste tipo, aqueles que forem encontrados permanecerão no clero na mesma categoria; mas quando alguns vêm em lugares onde há um bispo ou presbítero pertencente à igreja católica, é evidente que o bispo da igreja terá a dignidade do bispo, e que aquele a quem foi dado o título e nome de bispo entre os Os chamados cátaros terão o posto de presbítero, a menos que o bispo considere adequado deixá-lo compartilhar a honra do título. Mas se isso não obtiver sua aprovação, o bispo providenciará para ele um lugar como corepiscopus ou presbítero, de modo a evidenciar sua condição clerical ordinária e assim evitar que haja dois bispos na cidade. é evidente que o bispo da igreja terá a dignidade do bispo, e que aquele a quem foi dado o título e o nome de bispo entre os chamados cátaros terá a categoria de presbítero, a menos que o bispo considere adequado deixá-lo participar do honra do título. Mas se isso não obtiver sua aprovação, o bispo providenciará para ele um lugar como corepiscopus ou presbítero, de modo a evidenciar sua condição clerical ordinária e assim evitar que haja dois bispos na cidade. é evidente que o bispo da igreja terá a dignidade do bispo, e que aquele a quem foi dado o título e o nome de bispo entre os chamados cátaros terá a categoria de presbítero, a menos que o bispo considere adequado deixá-lo participar do honra do título. Mas se isso não obtiver sua aprovação, o bispo providenciará para ele um lugar como corepiscopus ou presbítero, de modo a evidenciar sua condição clerical ordinária e assim evitar que haja dois bispos na cidade.
    9. Se algum foi promovido a presbítero sem exame e, então, após investigação, confessou seus pecados, e se depois de sua confissão os homens impuseram as mãos sobre tais pessoas, sendo movidos a agir contra o cânone, o cânone não admite essas pessoas, para os católicos a igreja vindica apenas o que é irrepreensível.
    10. Se alguém foi promovido à ordenação por ignorância de seus promotores ou mesmo por sua conivência, esse fato não prejudica o cânone da igreja; pois uma vez descobertos, eles serão depostos.
    11. No que diz respeito aos que transgrediram sem necessidade ou com o confisco de seus bens ou sem perigo ou qualquer coisa dessa natureza, como aconteceu sob a tirania de Licínio, este santo sínodo decreta que, embora não mereçam clemência, devem ser tratados com misericórdia. Portanto, aqueles entre os fiéis que genuinamente se arrependem devem passar três anos entre os ouvintes, durante sete anos eles serão prostradores, e por dois anos eles devem tomar parte com o povo nas orações, embora não na oferta.
    12. Aqueles que foram chamados pela graça, deram provas do primeiro fervor e tiraram os cintos [militares], e depois correram como cães ao próprio vômito, de modo que alguns até pagaram dinheiro e recuperaram seu status militar por suborno – essas pessoas passarão dez anos como prostradores, após um período de três anos como ouvintes. Em todos os casos, entretanto, sua disposição e a natureza de sua penitência devem ser examinadas. Para aqueles que através de seu medo e lágrimas e perseverança e boas obras dão evidência de sua conversão por atos e não por aparência exterior, quando eles completaram seu mandato como ouvintes, podem participar apropriadamente nas orações, e o bispo é competente para decidir ainda mais favoravelmente em relação a eles. Mas aqueles que consideraram o assunto levianamente,
    13. Quanto à partida, a antiga lei canônica ainda deve ser mantida, a saber, que aqueles que estão partindo não devem ser privados do seu último e necessário viático. Mas se alguém cuja vida foi desesperada foi admitido à comunhão e participou da oferta e foi novamente contado entre os vivos, ele estará entre aqueles que participam da oração apenas [aqui uma leitura variante em Les canons des conciles oecumeniques acrescenta “até que o prazo fixado por este grande sínodo ecumênico seja completado”]. Mas como regra geral, no caso de qualquer pessoa que esteja partindo e deseje participar da eucaristia, o bispo ao examinar o assunto deve dar-lhe uma parte na oferta.
    14. Com relação aos catecúmenos que faleceram, este santo e grande sínodo decreta que, depois de terem passado três anos apenas como ouvintes, eles terão permissão para orar com os catecúmenos.
    15. Por causa da grande perturbação e das facções que são causadas, é decretado que o costume, se for encontrado em algumas partes contrárias ao cânone, deve ser totalmente suprimido, de modo que nem bispos, nem presbíteros, nem diáconos sejam transferidos de cidade para cidade. Se após esta decisão deste santo e grande sínodo alguém tentar tal coisa, ou se entregar a tal procedimento, o arranjo será totalmente anulado, e ele será restaurado à igreja da qual foi ordenado bispo ou presbítero ou diácono.
    16. Quaisquer presbíteros ou diáconos ou, em geral, qualquer pessoa inscrita em qualquer nível do clero que saia de sua igreja de forma imprudente e sem o temor de Deus diante de seus olhos ou por ignorância do cânone da igreja, não deve de forma alguma ser recebido em outra igreja mas toda pressão deve ser aplicada a eles para induzi-los a retornar às suas próprias dioceses, ou se eles permanecerem, é certo que sejam excomungados. Mas se alguém ousar roubar um que pertence a outro e ordená-lo em sua igreja sem o consentimento do próprio bispo do outro, entre cujo clero ele foi inscrito antes de partir, a ordenação será nula.
    17. Já que muitos matriculados [entre o clero] foram induzidos pela ganância e avareza a esquecer o texto sagrado, “quem não gasta seu dinheiro com juros”, e a cobrar um por cento [por mês] em empréstimos, este sagrado e grande O sínodo julga que se algum for encontrado após esta decisão para receber juros por contrato ou para realizar o negócio de qualquer outra forma ou para cobrar [uma taxa fixa de] cinquenta por cento ou, em geral, para inventar qualquer outro artifício em prol do ganho desonroso , eles serão depostos do clero e seus nomes eliminados do rol.
    18. Chegou ao conhecimento deste santo e grande sínodo que em alguns lugares e cidades os diáconos dão a comunhão aos presbíteros, embora nem o cânone nem o costume o permitam, ou seja, que aqueles que não têm autoridade para ofertar devem dar o corpo de Cristo àqueles que ofereça. Além disso, ficou sabido que alguns dos diáconos agora recebem a eucaristia antes mesmo dos bispos. Todas essas práticas devem ser suprimidas. Os diáconos devem permanecer dentro de seus próprios limites, sabendo que são ministros do bispo e subordinados aos presbíteros. Que eles recebam a eucaristia de acordo com sua ordem após os presbíteros das mãos do bispo ou do presbítero. Nem deve ser dada permissão para os diáconos se sentarem entre os presbíteros, pois tal arranjo é contrário ao cânon e ao posto.
    19. No que diz respeito aos ex-paulinistas que buscam refúgio na igreja católica, é determinado que sejam rebatizados incondicionalmente. Aqueles que no passado foram inscritos entre o clero, se parecerem irrepreensíveis e irrepreensíveis, devem ser rebatizados e ordenados pelo bispo da igreja católica. Mas se, após investigação, for demonstrado que são inadequados, é correto que sejam depostos. Da mesma forma com respeito às diaconisas e todos em geral cujos nomes foram incluídos no rolo, a mesma forma deve ser observada. Referimo-nos às diaconisas a quem foi concedido este estatuto, pois não recebem qualquer imposição das mãos, de modo que em todos os aspectos devem ser contadas entre os leigos.
    20. Visto que há alguns que se ajoelham no domingo e durante o período de Pentecostes, este santo sínodo decreta que, para que as mesmas observâncias sejam mantidas em todas as dioceses, deve-se oferecer suas orações ao Senhor em pé.
    A CARTA DO SÍNODO EM NICAEA PARA OS EGÍPCIOSOs bispos reunidos em Nicéia, que constituem o grande e santo sínodo, saudam a igreja dos alexandrinos, pela graça de Deus santo e grande, e os amados irmãos no Egito, Líbia e Pentápolis.Visto que a graça de Deus e o piedoso imperador Constantino nos convocaram de diferentes províncias e cidades para constituir o grande e santo sínodo de Nicéia, parecia absolutamente necessário que o santo sínodo lhe enviasse uma carta para que você pudesse saber o que foi proposto e discutido, e o que foi decidido e promulgado.
  3. Em primeiro lugar, o caso da impiedade e ilegalidade de Ário e seus seguidores foi discutido na presença do mais piedoso imperador Constantino. Foi unanimemente acordado que anátemas deveriam ser pronunciados contra sua opinião ímpia e seus termos e expressões blasfemas que ele blasfemamente aplicou ao Filho de Deus,
    • dizendo
      • “Ele é de coisas que não são”, e
      • “Antes de ser gerado, ele não era”, e
      • “Era uma vez quando ele não estava”,
    • dizendo também isso
      • por seu próprio poder, o Filho de Deus é capaz de
        • mal e
        • bondade,
    • e ligando para ele
      • uma criatura e uma obra.
    Contra tudo isso, o santo sínodo pronunciou anátemas e não permitiu que essa opinião ímpia e abandonada e essas palavras blasfemas fossem ouvidas.Sobre aquele homem e o destino que se abateu sobre ele, você sem dúvida ouviu ou ouvirá, para que não pareçamos pisotear alguém que já recebeu uma recompensa adequada por causa de seu próprio pecado. Na verdade, era tal o poder de sua impiedade que Teonas de Marmarica e Secundus de Ptolemais compartilharam as consequências, pois também sofreram o mesmo destino.Mas, uma vez que, quando a graça de Deus libertou o Egito dessa opinião má e blasfema, e das pessoas que ousaram criar um cisma e uma separação em um povo que até agora viveu em paz, restou a questão do A presunção de Melécio e dos homens que ele ordenou, vamos explicar a vocês, amados irmãos, as decisões do sínodo sobre este assunto também. O sínodo foi levado a inclinar-se para a brandura em seu tratamento de Melécio, pois, estritamente falando, ele não merecia misericórdia. Decretou que ele poderia permanecer em sua própria cidade sem qualquer autoridade para nomear ou ordenar, e que ele não deveria se mostrar para este propósito no país ou em outra cidade, e que ele deveria manter o nome de seu cargo. .Foi ainda decretado que aqueles a quem ele havia ordenado, quando tivessem sido validados por uma ordenação mais espiritual, deveriam ser admitidos à comunhão com a condição de que mantivessem sua posição e exercessem seu ministério, mas em todos os aspectos deveriam ser segundos atrás todo o clero em cada diocese e igreja que foi nomeado pelo nosso mais honrado irmão e colega ministro, Alexandre; eles não deveriam ter autoridade para nomear candidatos de sua escolha ou apresentar nomes ou fazer qualquer coisa sem o consentimento do bispo da igreja católica, ou seja, o bispo daqueles que estão sob Alexandre. Mas aqueles que pela graça de Deus e por nossas orações não foram detectados em qualquer cisma, e estão imaculados na igreja católica e apostólica,Em caso de morte de alguém na igreja, aqueles que foram recentemente aceitos passam a suceder no cargo de falecido, desde que pareçam dignos e sejam escolhidos pelo povo; o bispo de Alexandria participa da votação e confirma a eleição. Este privilégio, que foi concedido a todos os outros, não se aplica à pessoa de Meletius por causa de sua sediciosidade inveterada e sua disposição mercurial e precipitada, para que nenhuma autoridade ou responsabilidade seja dada a alguém que seja capaz de retornar às suas práticas sediciosas .Estes são os decretos principais e mais importantes no que diz respeito ao Egito e à santíssima igreja dos alexandrinos. Quaisquer que sejam os outros cânones e decretos foram promulgados na presença de nosso senhor e muito honrado colega ministro e irmão Alexandre, ele mesmo os relatará a você com mais detalhes quando vier, pois ele próprio foi um líder e também um participante dos eventos .O seguinte não é encontrado no texto latino, mas é encontrado no texto grego :Também lhe enviamos a boa notícia do acordo sobre a santa páscoa, ou seja , que em resposta às suas orações esta questão também foi resolvida. Todos os irmãos do Oriente que até agora seguiram a prática judaica, doravante observarão o costume dos romanos e de vocês mesmos e de todos nós que desde os tempos antigos guardamos a Páscoa com vocês. Regozijando-se, então, por esses sucessos e pela paz e harmonia comuns e pelo fim de toda heresia, dê as boas-vindas ao nosso colega ministro, seu bispo Alexandre, com toda a maior honra e amor. Ele nos fez felizes com sua presença e, apesar de sua idade avançada, empreendeu um grande trabalho para que você também pudesse desfrutar da paz.Ore por todos nós para que nossas decisões permaneçam seguras por meio de Deus todo-poderoso e nosso Senhor Jesus Cristo no Espírito Santo, a quem é a glória para todo o sempre. Amém.

Introdução e tradução tiradas dos  Decretos dos Concílios Ecumênicos , ed. Norman P. Tanner

Fonte: https://www.papalencyclicals.net/councils/ecum01.htm