Concílio de Constantinopla – 553

Introdução

O imperador Justiniano e o Papa Vigílio decidiram convocar este concílio depois que este último retirou seu “Julgamento” condenando os “Três Capítulos” de Teodoro de Mopsuéstia, Teodoreto e Ibas. Este “Julgamento” foi emitido em 11 de abril de 548, mas os bispos do Ocidente e especialmente da África se opuseram por unanimidade. O concílio foi convocado por Justiniano a Constantinopla, embora Vigílio tivesse preferido convocá-lo na Sicília ou na Itália para que os bispos ocidentais pudessem estar presentes. Foi montada em 5 de maio de 553 no grande salão anexo à catedral de Hagia Sophia.

Visto que o pontífice romano se recusou a participar do concílio, porque Justiniano havia convocado bispos em número igual de cada uma das cinco sés patriarcais, de modo que haveria muito mais bispos orientais do que ocidentais presentes, Eutychius, patriarca de Constantinopla, presidiu. Os decretos do conselho foram assinados por 160 bispos, dos quais 8 eram africanos.

Em 14 de maio de 553, o Papa Vigílio emitiu sua “Constituição”, que foi assinada por 16 bispos (9 da Itália, 2 da África, 2 do Ilírico e 3 da Ásia Menor). Este rejeitou sessenta proposições de Teodoro de Mopsuéstia, mas poupou sua memória pessoal e se recusou a condenar Teodoreto ou Ibas, uma vez que, no testemunho do concílio de Calcedônia, todas as suspeitas de heresia contra eles haviam sido removidas. Não obstante, o conselho em sua 8ª sessão em 2 de junho de 553 voltou a condenar os “Três Capítulos” , pelas mesmas razões que Justiniano o fizera, em uma sentença que conclui com 14 anátemas .

Depois de ponderar cuidadosamente o assunto durante seis meses, Vigílio , avaliando as perseguições de Justiniano contra seu clero e tendo enviado uma carta a Eutíquio de Constantinopla, aprovou o concílio , mudando de opinião “a exemplo de Agostinho”. Além disso, ele anatematizou Teodoro e condenou seus escritos e os de Teodoreto e Ibas . Em 23 de fevereiro de 554, em uma segunda “Constituição”, ele tentou conciliar a recente condenação com o que havia sido decretado no concílio de Calcedônia.

O conselho não debate a disciplina eclesiástica nem emitiu cânones disciplinares. Nossa edição não inclui o texto dos anátemas contra Orígenes, uma vez que estudos recentes mostraram que esses anátemas não podem ser atribuídos a este concílio.

Para os 14 anátemas (pp. 114-122), a tradução é do texto grego, uma vez que esta é a versão mais oficial.


Sentença contra os “Três Capítulos”

Nosso grande Deus e salvador Jesus Cristo, conforme nos é dito na parábola do evangelho, dá talentos a cada um de acordo com sua capacidade e, no momento adequado, pede um relato do que foi feito por cada um. Se a pessoa a quem foi dado apenas um talento é condenada porque não o trabalhou e aumentou, mas apenas o preservou sem diminuir, quão mais séria e mais assustadora deve ser a condenação a que está sujeita a pessoa que não só deixa de cuidar de si mesmo, mas escandaliza os outros e é motivo de ofensa para eles? É claro para todos os crentes que quando surge um problema sobre a fé, não é apenas a pessoa herética que é condenada, mas também a pessoa que está em posição de corrigir a heresia de outros e não o faz. Para aqueles de nós a quem foi dada a tarefa de governar a igreja do Senhor, surge o temor da condenação que ameaça aqueles que negligenciam fazer a obra do Senhor. Temos pressa em cuidar da boa semente da fé protegendo-a das ervas daninhas da heresia que foram plantadas pelo inimigo. Observamos que os alunos de Nestório estavam tentando trazer sua heresia para a igreja de Deus por meio do herético Teodoro, bispo de Mopsuéstia e seus livros, bem como pelos escritos do herético Teodoreto e a carta vergonhosa que se alega ter sido enviado por Ibas a Mari, a persa. Nossas observações nos levaram a corrigir o que estava acontecendo. Reunimo-nos nesta cidade imperial, aqui convocados pela vontade de Deus e pelo comando do mais religioso imperador. surge o medo da condenação que ameaça aqueles que negligenciam fazer a obra do Senhor. Temos pressa em cuidar da boa semente da fé protegendo-a das ervas daninhas da heresia que foram plantadas pelo inimigo. Observamos que os alunos de Nestório estavam tentando trazer sua heresia para a igreja de Deus por meio do herético Teodoro, bispo de Mopsuéstia e seus livros, bem como pelos escritos do herético Teodoreto e a carta vergonhosa que se alega ter sido enviado por Ibas a Mari, a persa. Nossas observações nos levaram a corrigir o que estava acontecendo. Reunimo-nos nesta cidade imperial, aqui convocados pela vontade de Deus e pelo comando do mais religioso imperador. surge o medo da condenação que ameaça aqueles que negligenciam fazer a obra do Senhor. Temos pressa em cuidar da boa semente da fé protegendo-a das ervas daninhas da heresia que foram plantadas pelo inimigo. Observamos que os alunos de Nestório estavam tentando trazer sua heresia para a igreja de Deus por meio do herético Teodoro, bispo de Mopsuéstia e seus livros, bem como pelos escritos do herético Teodoreto e a carta vergonhosa que se alega ter sido enviado por Ibas a Mari, a persa. Nossas observações nos levaram a corrigir o que estava acontecendo. Reunimo-nos nesta cidade imperial, aqui convocados pela vontade de Deus e pelo comando do mais religioso imperador. Temos pressa em cuidar da boa semente da fé protegendo-a das ervas daninhas da heresia que foram plantadas pelo inimigo. Observamos que os alunos de Nestório estavam tentando trazer sua heresia para a igreja de Deus por meio do herético Teodoro, bispo de Mopsuéstia e seus livros, bem como pelos escritos do herético Teodoreto e a carta vergonhosa que se alega ter sido enviado por Ibas a Mari, a persa. Nossas observações nos levaram a corrigir o que estava acontecendo. Reunimo-nos nesta cidade imperial, aqui convocados pela vontade de Deus e pelo comando do mais religioso imperador. Temos pressa em cuidar da boa semente da fé protegendo-a das ervas daninhas da heresia que foram plantadas pelo inimigo. Observamos que os alunos de Nestório estavam tentando trazer sua heresia para a igreja de Deus por meio do herético Teodoro, bispo de Mopsuéstia e seus livros, bem como pelos escritos do herético Teodoreto e a carta vergonhosa que se alega ter sido enviado por Ibas a Mari, a persa. Nossas observações nos levaram a corrigir o que estava acontecendo. Reunimo-nos nesta cidade imperial, aqui convocados pela vontade de Deus e pelo comando do mais religioso imperador. bispo de Mopsuéstia e seus livros, como também pelos escritos do herético Teodoreto e a carta infame que se alega ter sido enviada por Ibas a Mari, a persa. Nossas observações nos levaram a corrigir o que estava acontecendo. Reunimo-nos nesta cidade imperial, aqui convocados pela vontade de Deus e pelo comando do mais religioso imperador. bispo de Mopsuéstia e seus livros, como também pelos escritos do herético Teodoreto e a carta infame que se alega ter sido enviada por Ibas a Mari, a persa. Nossas observações nos levaram a corrigir o que estava acontecendo. Reunimo-nos nesta cidade imperial, aqui convocados pela vontade de Deus e pelo comando do mais religioso imperador.

O mais religioso Vigilius passou a estar presente nesta cidade imperial e participou em todas as críticas aos três capítulos. Ele freqüentemente os condenava verbalmente e em seus escritos. Mais tarde, ele deu um acordo por escrito para participar de nosso conselho e estudar conosco os três capítulos para que todos pudéssemos emitir uma definição apropriada da verdadeira fé. O mais piedoso imperador, movido pelo que era aceitável para nós, encorajou um encontro entre Vigílio e nós porque é apropriado que o sacerdócio imponha uma conclusão comum para assuntos de interesse comum. Conseqüentemente, pedimos a sua reverência que cumprisse seus compromissos escritos. Não parecia certo que o escândalo sobre esses três capítulos continuasse e que a igreja de Deus fosse mais perturbada. A fim de persuadi-lo, nós o lembramos do grande exemplo que nos deixaram os apóstolos e das tradições dos pais. Mesmo que a graça do Espírito Santo fosse abundante em cada um dos apóstolos, de forma que nenhum deles requeria o conselho de outro para fazer sua obra, no entanto, eles detestavam chegar a uma decisão sobre a questão da circuncisão dos gentios. até que se reunissem para testar suas várias opiniões contra o testemunho das sagradas escrituras.

Desta forma, eles unanimemente chegaram à conclusão que escreveram aos gentios: Pareceu bom ao Espírito Santo e a nós não colocar sobre vocês um fardo maior do que essas coisas necessárias; que você se abstenha do que foi sacrificado aos ídolos e do sangue e do que é estrangulado e da impureza.

Os santos padres, que se reuniram em intervalos nos quatro concílios sagrados, seguiram os exemplos da antiguidade. Eles lidaram com heresias e problemas atuais por debate em comum, uma vez que foi estabelecido como certo que, quando a questão disputada é colocada por cada lado em discussões comunitárias, a luz da verdade expulsa as sombras da mentira.

A verdade não pode ser esclarecida de outra maneira quando se discutem questões de fé, pois cada um requer a ajuda do próximo. Como Salomão diz em seus provérbios: Um irmão que ajuda outro irmão será exaltado como uma cidade forte; ele será tão forte quanto um reino bem estabelecido. Novamente em Eclesiastes, ele diz: Melhor dois do que um, pois eles têm uma boa recompensa pelo seu trabalho. E o próprio Senhor diz: Amém, eu digo a vocês, se dois de vocês concordarem na terra sobre qualquer coisa que pedirem, será feito por eles por meu Pai que está nos céus. Pois onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles. Vigilius era freqüentemente convidado por todos nós, e os mais ilustres juízes foram enviados a ele pelo mais piedoso imperador. Por fim, ele prometeu julgar pessoalmente os três capítulos. Quando ouvimos esta promessa, lembramos a advertência do apóstolo de que cada um de nós deve prestar contas de si mesmo a Deus. Tínhamos medo da condenação que ameaça quem escandaliza um dos menos importantes e da muito mais grave que ameaça quem escandaliza um imperador tão cristão, o povo e todas as igrejas. Também nos lembramos do que foi dito por Deus a Paulo: Não tenha medo, mas fale e não se cale; pois estou contigo e ninguém poderá fazer mal a ti. Quando nos reunimos, portanto, em primeiro lugar fizemos uma breve confissão da fé que nosso Senhor Jesus Cristo verdadeiro Deus, transmitiu aos seus santos apóstolos e por meio deles às santas igrejas, a mesma fé que aqueles que depois foram santos padres e médicos transmitidos às pessoas que lhes foram confiadas. Nós confessamos que acreditamos, proteja e pregue às igrejas sagradas aquela confissão de fé que foi exposta mais extensamente pelos 318 santos padres que se reuniram em concílio em Nicéia e transmitiram a sagrada doutrina ou credo. Os 150 que se reuniram em concílio em Constantinopla também expuseram a mesma fé e fizeram uma confissão e explicaram isso. Os 200 santos padres que se reuniram no primeiro concílio de Éfeso concordaram com a mesma fé. Seguimos também as definições dos 630 que se reuniram em concílio em Calcedônia, a respeito da mesma fé que ambos seguiram e pregaram. Confessamos que considerávamos condenados e anatematizados todos aqueles que haviam sido anteriormente condenados e anatematizados pela Igreja Católica e pelos citados quatro conselhos. Depois de termos feito essa confissão dessa forma, demos início ao exame dos três capítulos. Primeiro, consideramos Teodoro de Mopsuéstia. Quando todas as blasfêmias em suas obras foram expostas, ficamos surpresos com a paciência de Deus, que a língua e a mente que haviam formado tais blasfêmias não foram imediatamente queimadas pelo fogo divino. Nem mesmo teríamos permitido que o leitor oficial dessas blasfêmias continuasse, tal era nosso medo da ira de Deus até mesmo em um ensaio delas (já que cada blasfêmia era pior do que a anterior na extensão de sua heresia e abalou seus alicerce a mente de seus ouvintes), se não fosse o caso de que aqueles que se deleitavam com essas blasfêmias pareciam-nos exigir a humilhação que sua exposição traria sobre eles. Todos nós, indignados com as blasfêmias contra Deus, explodimos em ataques e anátemas contra Teodoro, durante e depois da leitura, como se ele tivesse vivido e estivesse presente ali. Dissemos: Senhor, sê favorável a nós; nem mesmo os próprios demônios ousaram falar tais coisas contra você.

Ó sua língua intolerável! Ó a maldade do homem! Oh, a mão orgulhosa que ele ergueu contra seu criador! Este homem vergonhoso, que havia feito a promessa de entender as escrituras, não se lembrava das palavras do profeta Oséias: Ai deles, porque se desviaram de mim! Eles se tornaram famosos por causa de sua impiedade para comigo. Eles falaram coisas ruins sobre mim e, depois de considerá-los, falaram coisas ainda piores contra mim. Eles cairão em uma armadilha por causa da depravação de suas línguas. Seu desprezo será voltado para dentro de si mesmos, porque eles quebraram meu convênio e agiram impiedosamente contra minha lei. O ímpio Teodoro merece ser submetido a essas maldições. Ele rejeitou as profecias sobre Cristo e difamou, tanto quanto pôde, o grande mistério dos arranjos que foram feitos para nossa salvação. De muitas maneiras, ele tentou demonstrar que a palavra divina nada mais era do que fábulas compostas para o divertimento dos gentios. Ele ridicularizou as outras condenações dos ímpios feitas pelos profetas, especialmente aquela em que o santo Habacuque fala daqueles que ensinam falsas doutrinas: Ai daquele que faz seus vizinhos beberem do cálice de sua ira, e os embriaga, para olhar em suas cavernas. Isso se refere aos seus ensinamentos que estão cheios de trevas e totalmente separados da luz. para contemplar suas cavernas. Isso se refere aos seus ensinamentos que estão cheios de trevas e totalmente separados da luz. para contemplar suas cavernas. Isso se refere aos seus ensinamentos que estão cheios de trevas e totalmente separados da luz.

Por que devemos adicionar mais alguma coisa? Quem quiser, pode consultar os volumes do herético Teodoro ou os capítulos heréticos de seus livros heréticos incluídos em nossos atos. Qualquer um pode ver sua loucura inacreditável e as declarações vergonhosas feitas por ele. Temos medo de continuar e de repetir essas coisas vergonhosas. Os escritos dos santos padres contra ele também foram lidos para nós. Ouvimos o que havia sido escrito contra sua loucura, que era mais do que todos os outros hereges, e os registros históricos e leis imperiais que estabeleceram sua heresia desde o início. Apesar de tudo isso, aqueles que defendiam sua heresia, deliciando-se com os insultos por ele dirigidos ao seu criador, declararam que era impróprio anatematizá-lo após sua morte. Embora estivéssemos cientes da tradição eclesiástica sobre os hereges, que eles são anatematizados mesmo após a morte, julgamos necessário examinar este assunto também e pode ser verificado nos atos como vários hereges foram anatematizados após a morte. De muitas maneiras, ficou claro para nós que aqueles que apresentam este argumento não se preocupam com os julgamentos de Deus, nem com os pronunciamentos dos apóstolos, nem com as tradições dos pais. Gostaríamos de questioná-los sobre o que diriam do Senhor, que disse de si mesmo: Quem crê nele não está condenado, quem não crê nele já está condenado, porque não creu no nome do único Filho de Deus gerado. E sobre a afirmação do Apóstolo: Mesmo que nós, ou um anjo do céu, vos preguemos um evangelho contrário ao que recebestes, seja anátema. Como dissemos antes,

Visto que o Senhor declara que a pessoa já foi julgada, e o apóstolo amaldiçoa até os anjos se eles instruem em algo diferente do que temos pregado, como é possível até mesmo para os mais presunçosos afirmar que essas condenações se aplicam apenas àqueles que são continua vivo? Não sabem, ou melhor, fingem não saber, que ser julgado anatematizado é o mesmo que estar separado de Deus? O herege, ainda que não tenha sido condenado formalmente por nenhum indivíduo, na realidade traz o anátema para si mesmo, tendo se afastado do caminho da verdade por sua heresia. Que resposta essas pessoas podem dar ao Apóstolo quando ele escreve: Quanto a quem é faccioso, depois de admoestá-lo uma ou duas vezes, não tenha mais nada a ver com ele, sabendo que tal pessoa é pervertida e pecadora; ele está se autocondenando.

Foi no espírito deste texto que Cirilo de sagrada memória, nos livros que escreveu contra Teodoro, declarou o seguinte: “Quer estejam vivos ou não, devemos evitar aqueles que estão nas garras de tais terríveis erros. É preciso evitar sempre o que é prejudicial e não se preocupar com a opinião pública, mas considerar o que agrada a Deus ”. O mesmo Cirilo de santa memória, escrevendo ao bispo João de Antioquia e ao sínodo que ali se reuniu sobre Teodoro que foi condenado com Nestório, diz: “Era necessário que se realizasse uma festa brilhante, pois todos aqueles que expressaram opiniões de acordo com Nestório foram rejeitados, quem quer que fossem. Ações foram tomadas contra todos aqueles que acreditaram, ou em qualquer momento acreditaram, nessas visões errôneas. Isso é exatamente o que nós e sua santidade pronunciamos: ‘Nós anatematizamos aqueles que afirmam que existem dois filhos e dois Cristos. Aquele que é pregado por você e por nós é, como foi dito, o único Cristo, tanto Filho e Senhor, o unigênito como homem, como diz o erudito Paulo ‘”. Além disso, em sua carta aos padres e padres dos monges, Alexandre, Martiniano, João, Paregório e Máximo, e aos que viviam como solitários com eles, ele diz: “O santo sínodo de Éfeso, reunido de acordo com a vontade de Deus, pronunciou sentença contra a heresia de Nestório e condenou segundo a justiça e com exatidão o próprio Nestório e todos aqueles que poderiam mais tarde, de forma fútil, adotar as mesmas opiniões que ele defendeu, e aqueles que anteriormente aderiram ao mesmas opiniões e que tiveram a ousadia de colocá-las por escrito, colocando sobre todas elas uma condenação igual. Era bastante lógico que, quando uma condenação fosse emitida contra uma pessoa por tamanha estupidez no que ela dizia, essa condenação deveria se aplicar não apenas a essa pessoa, mas também, por assim dizer, contra todos aqueles que espalham as heresias e inverdades. Eles expressam essas falsidades contra os verdadeiros dogmas da igreja, oferecendo adoração a dois filhos, tentando dividir o que não pode ser dividido, e introduzindo tanto no céu quanto na terra a ofensa da adoração ao homem. Mas o bando sagrado dos espíritos celestiais adora conosco apenas um Senhor Jesus Cristo ”. Além disso, foram lidas várias cartas de Agostinho de memória sagrada, que teve particular destaque entre os bispos africanos, nas quais ele indica que é correto condenar os hereges mesmo depois de sua morte. Outros mais reverendos bispos da África também observaram esse costume da igreja; além disso, a santa igreja de Roma emitiu anátemas contra certos bispos, mesmo depois de mortos, embora não tivessem sido acusados ​​por questões de fé enquanto estavam vivos; os atos de nossas deliberações dão testemunho de ambos os casos. Visto que os seguidores de Teodoro e sua heresia, que são claramente opostos à verdade, tentaram aduzir algumas seções dos escritos de Cirilo e Proclo de sagrada memória, como se fossem a favor de Teodoro, é apropriado aplicar a estes tenta a observação do profeta quando ele escreve: Os caminhos do Senhor são retos, e os retos andam neles, mas os transgressores tropeçam neles. Esses seguidores intencionalmente entenderam mal o que os santos padres escreveram, embora fosse verdade e apropriado; eles citaram esses escritos, simulando desculpas para suas próprias iniqüidades. Parece que os pais não levantaram o anátema contra Teodoro, mas antes usaram a linguagem da concessão para afastar de seu erro aqueles que ofereciam alguma defesa de Nestório e sua heresia; seu objetivo era conduzi-los à perfeição e instruí-los de que não só Nestório, o discípulo da heresia, foi condenado, mas também seu mestre Teodoro. Os padres indicam sua intenção neste assunto, apesar das formas conciliatórias usadas: Teodoro era para ser anatematizado. Este foi o caso muito claramente demonstrado por nós em nossos atos a partir das obras de Cirilo e Proclo de bendita memória a respeito da condenação de Teodoro e sua heresia. Essa atitude conciliatória também pode ser encontrada nas sagradas escrituras. O apóstolo Paulo empregou essa tática no início de seu ministério, quando estava lidando com aqueles que eram judeus; ele circuncidou Timóteo para que por esta conciliação e concessão ele pudesse conduzi-los à perfeição. Posteriormente, porém, ele decidiu contra a circuncisão, escrevendo sobre o assunto aos Gálatas: Agora eu, Paulo, digo a vocês que, se vocês receberem a circuncisão, Cristo não terá vantagem para vocês. Descobrimos que os defensores de Teodoro fizeram exatamente o que os hereges estavam acostumados a fazer. Eles tentaram acabar com o anátema sobre o dito herético Teodoro, omitindo algumas das coisas que os santos padres haviam escrito, incluindo certas falsidades confusas de sua autoria e citando uma carta de Cirilo de abençoada memória, como se tudo isso fosse a evidência dos pais. As passagens que eles citaram tornaram a verdade absolutamente clara, uma vez que as seções omitidas foram colocadas de volta em seus devidos lugares. As falsidades eram bastante aparentes quando os verdadeiros escritos foram comparados. Neste assunto, aqueles que emitiram essas declarações vazias são aqueles que, nas palavras da Escritura, confiam em mentiras, eles fazem apelos vazios; eles concebem o mal e produzem a iniqüidade, eles tecem a teia de aranha.

Depois de termos investigado assim Teodoro e sua heresia, nos demos ao trabalho de citar e incluir em nossos atos alguns dos escritos heréticos de Teodoreto contra a verdadeira fé, contra os doze capítulos do santo Cirilo e contra o primeiro sínodo de Éfeso. Também incluímos alguns dos escritos de Teodoreto do lado dos heréticos Teodoro e Nestório, para que ficasse claro, para a satisfação de qualquer um que estivesse lendo nossos atos, que essas opiniões foram devidamente rejeitadas e anatematizadas.

Em terceiro lugar, a carta que supostamente foi escrita por Ibas a Mari, a persa, foi examinada e descobrimos que também deveria ser lida oficialmente. Quando a carta foi lida, seu caráter herético ficou imediatamente evidente para todos. Até então, houve alguma controvérsia sobre se os três capítulos mencionados deveriam ser condenados e anatematizados. Já que os partidários dos hereges, Teodoro e Nestório estavam conspirando para fortalecer de outra forma o caso desses homens e sua heresia, e estavam alegando que esta carta herética, que aprova e defende Teodoro e Nestório, havia sido aceita pelo santo concílio de Calcedônia , era, portanto, necessário demonstrarmos que esse santo sínodo não foi afetado pela heresia que está presente nessa carta, e que claramente aqueles que fazem tais alegações não o fazem com a ajuda do santo conselho, mas para dar algum apoio à sua própria heresia, associando-a ao nome de Calcedônia. Foi demonstrado em nossos atos que Ibas foi anteriormente acusado da mesma heresia que está contida nesta carta. Essa acusação foi levantada primeiro por Proclo de sagrada memória, bispo de Constantinopla, e depois por Teodósio de abençoada memória e Flaviano, o bispo lá depois de Proclo, os quais deram a tarefa de examinar todo o assunto a Photius, bispo de Tiro, e a Eustátio, bispo da cidade de Beirute. Mais tarde, quando Ibas foi considerado culpado, ele foi deposto do episcopado. Sendo este o estado de coisas, como alguém poderia ser tão ousado a ponto de alegar que aquela carta herética foi aceita pelo santo conselho de Calcedônia ou que o santo conselho de Calcedônia concordou com ela em sua totalidade? A fim de evitar que aqueles que deturpam o santo conselho de Calcedônia desta forma tenham qualquer outra oportunidade de fazê-lo, instruímos que deveria haver uma leitura formal dos pronunciamentos oficiais dos santos sínodos, a saber, o primeiro de Éfeso e o de Calcedônia. , a respeito das cartas de Cirilo de santa memória e de Leão de bendita memória, ex-papa da Roma antiga. Aprendemos dessas autoridades que nada que tenha sido escrito por alguém deve ser aceito, a menos que tenha sido demonstrado conclusivamente que está de acordo com a verdadeira fé dos santos padres. Portanto, interrompemos nossas deliberações para reiterar em uma declaração formal a definição de fé que foi promulgada pelo santo concílio de Calcedônia. Comparamos o que estava escrito na carta com esta declaração oficial. Quando essa comparação foi feita, era bastante claro que o conteúdo da carta era totalmente contraditório com os da definição de fé. A definição estava de acordo com a fé única e permanente estabelecida pelos 318 santos padres, e pelos 150, e por aqueles que se reuniram para o primeiro concílio em Éfeso. A carta herética, por outro lado, incluía as blasfêmias dos hereges Teodoro e Nestório e até os apoiava e os descreve como médicos, enquanto condena os santos padres como hereges. Deixamos bem claro a todos que não pretendemos omitir o que os padres disseram na primeira e na segunda investigações, que são aduzidas pelos partidários de Teodoro e Nestório em apoio a seu caso. Em vez disso, essas declarações e todas as outras foram lidas formalmente e o que continham foi submetido ao escrutínio oficial, e descobrimos que eles não permitiram que o referido Ibas fosse aceito até que o obrigassem a anatematizar Nestório e suas doutrinas heréticas que foram afirmadas nessa carta. Esta foi a opinião não apenas dos dois bispos cujas intervenções alguns tentaram aplicar erroneamente, mas também dos outros bispos religiosos daquele santo concílio. Eles também agiram assim no caso de Teodoreto e insistiram que ele anatematizasse as opiniões sobre as quais era acusado. Se eles permitiriam a aceitação de Ibas apenas se ele condenasse a heresia que foi encontrada em sua carta, e com a condição de que ele subscreveu uma definição de fé estabelecida pelo conselho, como pode uma tentativa ser feita para alegar que isso carta herética foi aceita pelo mesmo conselho sagrado? Dizem-nos com razão: que parceria tem a justiça com a iniqüidade? Ou que comunhão tem luz com trevas? Que acordo tem Cristo com Belial? Ou o que um crente tem em comum com um incrédulo? Que participação tem o templo de Deus com ídolos? Que parceria tem a justiça com a iniqüidade? Ou que comunhão tem luz com trevas? Que acordo tem Cristo com Belial? Ou o que um crente tem em comum com um incrédulo? Que participação tem o templo de Deus com ídolos? Que parceria tem a justiça com a iniqüidade? Ou que comunhão tem luz com trevas? Que acordo tem Cristo com Belial? Ou o que um crente tem em comum com um incrédulo? Que participação tem o templo de Deus com ídolos?

Agora que demos os detalhes do que nosso conselho alcançou, repetimos nossa confissão formal de que aceitamos os quatro santos sínodos, isto é, de Nicéia, de Constantinopla, o primeiro de Éfeso e de Calcedônia. Nosso ensino é e tem sido tudo o que eles definiram a respeito de uma fé. Nós consideramos aqueles que não respeitam essas coisas como estranhos à igreja católica. Além disso, condenamos e anatematizamos, juntamente com todos os outros hereges que foram condenados e anatematizados pelos mesmos quatro concílios sagrados e pela igreja sagrada católica e apostólica Teodoro, ex-bispo de Mopsuéstia, e seus escritos heréticos, e também o que Teodoreto escreveu hereticamente contra a verdadeira fé, contra os doze capítulos do santo Cirilo e contra o primeiro sínodo de Éfeso, e condenamos também o que ele escreveu defendendo Teodoro e Nestório. Além disso, anatematizamos a carta herética que Ibas teria escrito a Mari, a persa. Esta carta nega que Deus, o Verbo, foi encarnado da sempre virgem Maria, a santa mãe de Deus, e que ele foi feito homem. Também condena como herege Cirilo de sagrada memória, que ensinou a verdade, e sugere que ele tinha as mesmas opiniões de Apolinário. A carta condena o primeiro sínodo de Éfeso por depor Nestório sem o devido processo e investigação. Ele chama os doze capítulos do santo Cirilo de heréticos e contrários à fé ortodoxa, enquanto apóia Teodoro e Nestório e seus ensinos e escritos heréticos. Consequentemente, anatematizamos os três capítulos mencionados, isto é, o herético Teodoro de Mopsuéstia junto com seus escritos detestáveis, e os escritos heréticos de Teodoreto, e a carta herética que Ibas supostamente escreveu. Anatematizamos os defensores dessas obras e aqueles que escrevem ou escreveram em defesa delas, ou que são ousados ​​o suficiente para afirmar que são ortodoxos, ou que defenderam ou tentaram defender sua heresia em nome de padres sagrados ou dos santo conselho de Calcedônia.

Tendo essas questões sido tratadas com total exatidão, temos em mente o que foi prometido sobre a santa igreja e sobre aquele que disse que as portas do inferno não prevalecerão contra ela (por isso entendemos as línguas mortíferas dos hereges); também temos em mente o que foi profetizado por Oséias sobre a igreja quando disse: Eu me casarei com você em fidelidade e você conhecerá o Senhor; e contamos com o diabo, o pai das mentiras, as línguas descontroladas dos hereges e seus escritos heréticos, junto com os próprios hereges que persistiram em sua heresia até a morte. Por isso, declaramos a eles: Eis todos vocês que acendem o fogo, que ateiam fogo! Ande pela luz do seu fogo e pelas marcas que você acendeu! Visto que temos o comando de encorajar as pessoas com ensino ortodoxo e falar ao coração de Jerusalém, que é a igreja de Deus, nós muito apropriadamente nos apressamos em semear em justiça e colher o fruto da vida. Ao fazer isso, estamos acendendo para nós mesmos a lâmpada do conhecimento das escrituras e dos ensinamentos dos pais. Portanto, pareceu-nos necessário resumir em certas declarações tanto nossas declarações da verdade quanto nossas condenações aos hereges e seus ensinos heréticos.

Anátemas contra os “Três Capítulos”

  1. Se alguém não confessar que o Pai, o Filho e o Espírito Santo têm uma natureza ou substância, que eles têm um poder e autoridade, que há uma Trindade consubstancial, uma Divindade a ser adorada em três subsistências ou pessoas: seja anátema. Há apenas um Deus e Pai, de quem todas as coisas vêm, e um Senhor, Jesus Cristo, por meio de quem todas as coisas são, e um só Espírito Santo, em quem todas as coisas existem.
  2. Se alguém não confessar que a Palavra de Deus tem dois presépios, aquele que vem do Pai antes de todas as idades, fora dos tempos e sem corpo, e em segundo lugar, aquele presépio destes últimos dias quando a Palavra de Deus desceu dos céus e foi feito carne da santa e gloriosa Maria, mãe de Deus e sempre virgem, e nasceu dela: seja anátema .
  3. Se alguém declarar que o [Verbo] de Deus que faz milagres não é idêntico ao Cristo que sofreu, ou alegar que Deus o Verbo estava com o Cristo que nasceu da mulher, ou estava nele da maneira que alguém poderia estar outro, mas que nosso senhor Jesus Cristo não era o mesmo, o Verbo de Deus se encarnou e se fez homem, e que os milagres e os sofrimentos que voluntariamente sofreu na carne não eram da mesma pessoa: seja anátema .
  4. Se alguém declarar que foi apenas a respeito da graça, ou do princípio de ação, ou da dignidade ou da igualdade de honra, ou a respeito da autoridade, ou de alguma relação, ou de algum afeto ou poder, que houve um união feita entre a Palavra de Deus e o homem, ou se alguém alegar que é por boa vontade, como se Deus Palavra se agradasse do homem, porque ele estava bem e devidamente disposto para com Deus, como afirma Teodoro em seu loucura; ou se alguém disser que essa união é apenas uma espécie de sinonímia, como os Nestorianosalegam, que chamam a Palavra de Deus Jesus e Cristo, e até designam o humano separadamente pelos nomes “Cristo” e “Filho”, discutindo obviamente duas pessoas diferentes, e apenas fingindo falar de uma pessoa e de um Cristo quando a referência é para seu título, honra, dignidade ou adoração; enfim, se alguém não aceita o ensino dos santos padres de que ocorreu a união do Verbo de Deus com a carne humana possuída por uma alma racional e intelectual, e que essa união é por síntese ou por pessoa, e que, portanto, há apenas uma pessoa, ou seja, o Senhor Jesus Cristo, um membro da Santíssima Trindade: que ele seja anátema . A noção de “união” pode ser entendida de muitas maneiras diferentes. Os partidários da maldade de Apolinário eEutiques afirmam que a união é produzida por uma confusão dos elementos unificadores, pois defendem o desaparecimento dos elementos que os unem. Aqueles que seguem Teodoro e Nestório, alegrando-se com a divisão, trouxeram uma união que é somente por afeição. A santa igreja de Deus, rejeitando a maldade de ambos os tipos de heresia, afirma sua crença em uma união entre a Palavra de Deus e a carne humana que é por síntese, isto é, por uma união de subsistência. No mistério de Cristo, a união da síntese não só conserva sem confundir os elementos que se unem, mas também não permite a divisão.
  5. Se alguém entende pela subsistência única de nosso Senhor Jesus Cristo que abrange o significado de muitas subsistências, e por este argumento tenta introduzir no mistério de Cristo duas subsistências ou duas pessoas, e tendo trazido duas pessoas então fala de uma pessoa apenas no que diz respeito à dignidade, honra ou adoração, como Teodoro e Nestórioescreveram em sua loucura; se alguém representa falsamente o santo sínodo da Calcedônia, fazendo-se entender que ele aceita essa visão herética por sua terminologia de “uma subsistência”, e se ele não reconhece que a Palavra de Deus está unida à carne humana pela subsistência, e isso por conta disso, há apenas uma subsistência ou uma pessoa, e que o santo sínodo de Calcedônia, assim, fez uma declaração formal de crença na subsistência única de nosso senhor Jesus Cristo: que ele seja anátema . Não houve adição de pessoa ou subsistência à Santíssima Trindade, mesmo depois que um de seus membros, Deus o Verbo, se tornou carne humana.
  6. Se alguém declara que só pode ser inexato e não verdadeiramente dito que a santa e gloriosa sempre virgem Maria é a mãe de Deus, ou diz que ela o é apenas de uma forma relativa, considerando que ela gerou um mero homem e que Deus o Verbo não se fez carne nela, sustentando antes que o nascimento de um homem dela foi referido, como dizem, a Deus o Verbo como ele foi com o homem que veio a ser; se alguém deturpar o santo sínodo de Calcedônia, alegando que afirmava que a virgem era a mãe de Deus apenas de acordo com o entendimento herético que o blasfemo Teodoroapresentar; ou se alguém disser que ela é a mãe de um homem ou do portador de Cristo, essa é a mãe de Cristo, sugerindo que Cristo não é Deus; e não confessa formalmente que ela é adequada e verdadeiramente a mãe de Deus, porque aquele que antes de todos os tempos nasceu do Pai, Deus o Verbo, foi feito em carne humana nestes últimos dias e nasceu dela, e foi neste entendimento religioso que o santo sínodo de Calcedônia declarou formalmente sua crença de que ela era a mãe de Deus: que ele seja anátema .
  7. Se alguém, ao falar sobre as duas naturezas, não confessar uma crença em nosso único senhor Jesus Cristo, entendida tanto em sua divindade como em sua humanidade, para com isso significar uma diferença de naturezas da qual uma união inefável foi feita sem confusão, na qual nem a natureza da Palavra foi mudada para a natureza da carne humana, nem a natureza da carne humana mudou para a da Palavra (cada uma permaneceu o que era por natureza, mesmo após a união, como esta tinha sido feita a título de subsistência); e se alguém entende as duas naturezas no mistério de Cristo no sentido de uma divisão em partes, ou se ele expressa sua crença nas naturezas plurais no mesmo Senhor Jesus Cristo, Deus o Verbo feito carne, mas não considera a diferença dessas naturezas, das quais ele é composto, para estar apenas na mente do espectador,anátema .
  8. Se alguém confessa a crença de que uma união foi feita das duas naturezas divindade e humanidade, ou fala sobre a natureza única de Deus, o Verbo feito carne, mas não entende essas coisas de acordo com o que os pais ensinaram, ou seja, de as naturezas divina e humana uma união foi feita de acordo com a subsistência, e aquele Cristo foi formado, e dessas expressões tenta introduzir uma natureza ou substância feita da divindade e carne humana de Cristo: que ele seja anátema. Ao dizer que foi em relação à subsistência que o Deus unigênito, o Verbo, foi unido, não estamos alegando que houve uma confusão feita de cada uma das naturezas uma na outra, mas sim que cada uma das duas permaneceu o que era , e desta forma entendemos que o Verbo estava unido à carne humana. Portanto, só há um Cristo, Deus e homem, o mesmo sendo consubstancial ao Pai no que diz respeito à sua divindade, e também consubstancial a nós no que diz respeito à nossa humanidade. Tanto aqueles que dividem ou dividem o mistério da dispensação divina de Cristo quanto aqueles que introduzem nesse mistério alguma confusão são igualmente rejeitados e anatematizados pela igreja de Deus.
  9. Se alguém disser que Cristo deve ser adorado em suas duas naturezas, e com isso desejar introduzir duas adorações, uma separada para Deus a Palavra e outra para o homem; ou se alguém, para remover a carne humana ou misturar a divindade e a humanidade, inventa monstruosamente uma natureza ou substância reunida das duas, e assim adora a Cristo, mas não por uma única adoração a Deus Verbo em carne humana junto com sua carne humana, como tem sido a tradição da Igreja desde o início: que ele seja anátema .
  10. Se alguém não confessa sua crença de que nosso Senhor Jesus Cristo, que foi crucificado em sua carne humana, é verdadeiramente Deus e o Senhor da glória e um dos membros da Santíssima Trindade: seja anátema .
  11. Se alguém não anatematizar Ário, Eunômio, Macedônio, Apolinário Nestório, Eutiques e Orígenes , bem como seus livros heréticos, e também todos os outros hereges que já foram condenados e anatematizados pela igreja sagrada, católica e apostólica e pelos quatro santos sínodos que já foram mencionados, e também todos aqueles que pensaram ou agora pensam da mesma forma que os hereges acima mencionados e que persistem em seu erro até a morte: que ele seja anátema .
  12. Se alguém defende o herético Teodoro de Mopsuéstia,que disse que Deus, o Verbo, é um, enquanto outra completamente diferente é Cristo, que foi perturbado pelas paixões da alma e os desejos da carne humana, foi gradualmente separado do que é inferior e se tornou melhor por seu progresso em boas obras, e não poderia ser culpado em seu modo de vida, e como um mero homem foi batizado em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e por meio desse batismo recebeu a graça do Espírito Santo e veio a merecer a filiação e ser adorado, da mesma forma que se adora uma estátua do imperador, como se ele fosse o Deus Verbo, e que depois da ressurreição se tornou imutável em seus pensamentos e inteiramente sem pecado. Além disso, este herético Teodoro afirmava que a união de Deus, o Verbo, com Cristo é bastante semelhante àquela que, de acordo com o ensino do Apóstolo, é entre um homem e sua esposa: Os dois se tornarão um. Entre inúmeras outras blasfêmias, ele ousou alegar que, quando depois de sua ressurreição, o Senhor soprou sobre seus discípulos e disse: Recebam o Espírito Santo, ele não estava verdadeiramente dando-lhes o Espírito Santo, mas soprou sobre eles apenas como um sinal. Da mesma forma, ele afirmou que a profissão de fé de Tomé feita quando, após sua ressurreição, ele tocou as mãos e o lado do Senhor, ou seja, Meu Senhor e meu Deus, não foi dito sobre Cristo, mas que Tomé estava, desta forma, exaltando a Deus por ter ressuscitado Cristo e expressando seu espanto com o milagre da ressurreição. Esta Da mesma forma, ele afirmou que a profissão de fé de Tomé feita quando, após sua ressurreição, ele tocou as mãos e o lado do Senhor, ou seja, Meu Senhor e meu Deus, não foi dito sobre Cristo, mas que Tomé estava, desta forma, exaltando a Deus por ter ressuscitado Cristo e expressando seu espanto com o milagre da ressurreição. Esta Da mesma forma, ele afirmou que a profissão de fé de Tomé feita quando, após sua ressurreição, ele tocou as mãos e o lado do Senhor, ou seja, Meu Senhor e meu Deus, não foi dito sobre Cristo, mas que Tomé estava, desta forma, exaltando a Deus por ter ressuscitado Cristo e expressando seu espanto com o milagre da ressurreição. EstaTheodorefaz uma comparação ainda pior do que esta quando, escrevendo sobre os atos dos Apóstolos, diz que Cristo era como Platão, Maniqueu, Epicuro e Marcião, alegando que assim como cada um desses homens chegou ao seu próprio ensino e depois teve o seu discípulos o chamavam de platônicos, maniqueus, epicureus e marcionitas, então Cristo encontrou seu ensinamento e então teve discípulos que foram chamados de cristãos. Se alguém oferecer uma defesa para este Teodoro mais herético, e seus livros heréticos nos quais ele lança as blasfêmias mencionadas e muitas outras blasfêmias adicionais contra nosso grande Deus e salvador Jesus Cristo, e se alguém falhar em anatematizar a ele e seus livros heréticos também como todos aqueles que oferecem aceitação ou defesa a ele, ou que alegam que sua interpretação é correta,anátema .
  13. Se alguém defender os escritos heréticos de Teodoreto que foram compostos contra a verdadeira fé, contra o primeiro santo sínodo de Éfeso e contra o santo Cirilo e seus Doze Capítulos, e também defender o que Teodoreto escreveu para apoiar os heréticos Teodoro e Nestórioe outros que pensam da mesma forma que os citados Teodoro e Nestório e os aceitam ou sua heresia e se alguém, por causa deles, acusará de ser heréticos os doutores da igreja que declararam sua crença na união de acordo com a subsistência de Deus a Palavra; e se alguém não anatematizar esses livros heréticos e aqueles que pensaram ou agora pensam desta forma, e todos aqueles que escreveram contra a verdadeira fé ou contra o santo Cirilo e seus doze capítulos, e que persistem em tal heresia até morrerem: que ele seja um anátema .
  14. Se alguém defender a carta que Ibas teria escrito a Mari, a persa, que nega que Deus o Verbo, que se encarnou de Maria, a santa mãe de Deus e sempre virgem, se fez homem, mas alega que ele era apenas um homem nascido a ela, que descreve como um templo, como se Deus o Verbo fosse um e o homem alguém completamente diferente; que condena o santo Cirilo como se fosse um herege, quando dá o verdadeiro ensino dos cristãos, e acusa o santo Cirilo de escrever opiniões como as do herético Apolinário ; que repreende o primeiro santo sínodo de Éfeso, alegando que condenou Nestóriosem entrar no assunto por um exame formal; que afirma que os doze capítulos do santo Cirilo são heréticos e opostos à verdadeira fé; e que defende Teodoro e Nestório e seus livros e ensinamentos heréticos. Se alguém defende a referida carta e não a anatematiza e todos aqueles que oferecem uma defesa para ela e alegam que ela ou parte dela é correta, ou se alguém defende aqueles que escreveram ou deverão escrever em apoio a ela ou às heresias contido nele, ou apóia aqueles que são ousados ​​o suficiente para defendê-lo ou suas heresias em nome dos santos padres do santo sínodo de Calcedônia, e persiste nesses erros até sua morte: que ele seja anátema .

Essas são as afirmações que confessamos. Nós os recebemos de

  1. Sagrada Escritura, de
  2. o ensino dos santos padres, e de
  3. as definições sobre a mesma fé feitas pelos quatro santos sínodos acima mencionados .

Além disso, a condenação foi passada por nós contra os hereges e sua impiedade, e também contra aqueles que justificaram ou justificarão os chamados “Três Capítulos”, e contra aqueles que persistiram ou persistirão em seu próprio erro. Se alguém tentar transmitir, ou ensinar por palavra ou por escrito, algo contrário ao que regulamentamos, então se ele for um bispo ou alguém nomeado para o clero, na medida em que está agindo contrário ao que convém aos padres e quanto ao estatuto eclesiástico, seja destituído do posto de sacerdote ou clérigo e, se for monge ou leigo, seja anátema .

Introdução e tradução tiradas dos  Decretos dos Concílios Ecumênicos , ed. Norman P. Tanner

Fonte: https://www.papalencyclicals.net/councils/ecum05.htm