Festa do Santíssimo Nome de Jesus

A festa de hoje é um complemento da Circuncisão. Seu fim é glorificar o Nome de Jesus. A Missa é um Sacrifício de louvor em honra do Santíssimo Nome de Jesus, pois “não há outro Nome debaixo do céu dado aos homens, pelo qual possamos alcançar a salvação”.

O Nome de Jesus, diz São Bernardo, é luz, alimento e remédio. Rezemos sempre, com todo o respeito e muita devoção, por Nosso Senhor Jesus Cristo, como o faz a santa Igreja. Ele mesmo diz: em meu Nome alcançareis tudo.

Epístola

Lição dos Atos dos Apóstolos.
Act 4, 8-12

Naqueles dias, Pedro, cheio de Espírito Santo, disse: «Príncipes do povo e anciãos de Israel, escutai: Visto que somos hoje julgados por causa dum milagre, concedido a um homem enfermo, para saber por quem foi curado, sabei, vós todos e todo o povo de Israel, que foi curado pelo Nome de Jesus Cristo Nazareno, a quem crucificastes, e que Deus ressuscitou dos mortos. É por Ele que este homem se apresenta diante de vós, plenamente curado. Este Jesus é a pedra que vós, querendo edificar, desprezastes, e que se tornou a pedra principal do ângulo. Não há salvação em nenhum outro nome, pois não existe debaixo do céu outro nome, que tenha sido dado aos homens, pelo qual devamos ser salvos».

Evangelho

Continuação ☩ do santo Evangelho segundo S. Lucas.
Lc 2, 21
Naquele tempo, passados que foram oito dias depois dos quais o Menino devia ser circuncidado, foi-Lhe dado o nome de Jesus, que foi aquele que o Anjo Lhe havia dado, antes de ser concebido no seio de sua Mãe.

REFLEXÃO

Vocatum est nomen eius Jesus, quod vocatum est ab Angelo, priusquam in utero conciperetur – “Foi-lhe posto o nome de Jesus, como o havia chamado o Anjo, antes de concebido” (Lc 2, 21)

Sumário. O divino Nome de Jesus é comparado pelo Espírito Santo com azeite, porque, assim como o azeite dá luz, alimenta e cura, assim o Nome de Jesus é luz para o espírito, alimento para o coração, medicina para a alma. Felizes de nós se formos sempre devotos deste grande Nome, e, juntamente com os de Maria e José, o tivermos frequentes vezes nos lábios, especialmente no tempo das tentações! Quem jamais se perdeu tendo invocado estes santíssimos Nomes na tentação?

I. O Nome de Jesus é um nome divino, anunciado a Maria da parte de Deus por São Gabriel:

Et vocabis nomen eius Jesum (1) – “Pôr-lhe-ás o nome de Jesus”

Por isso foi chamado nome acima de todo outro nome (2), no qual só se acha a salvação: in quo oportet nos salvos fieri (3). – Este grande nome é comparado pelo Espírito Santo com azeite:

Oleum effusum nomen tuum (4) – “O teu nome é como azeite derramado”

E com razão, diz São Bernardo; pois, assim o nome de Jesus é luz para o espírito, alimento para o coração e medicina para a alma.

É luz para o espírito. Com este nome converteu-se o mundo das trevas da idolatria para a luz da fé. Nós que nascemos em regiões onde antes da vinda de Cristo todos os nossos antepassados eram pagãos, todos nós o seríamos igualmente se o Messias não tivesse vindo para nos iluminar. Como devemos, portanto, agradecer a Jesus Cristo o dom da fé! O que seria de nós, se tivéssemos nascido na Ásia ou na África, entre os idólatras?

“Quem não crer, será condenado” – Qui non crediret, condemnabitur (5)

E assim, segundo todas as possibilidades, nós também havíamos de nos perder.

II. Em segundo lugar, o nome de Jesus é um alimento, que nutre os nossos corações. E de fato, porque este nome nos recorda o que Jesus tem feito para a nossa salvação. Por isso este nome nos consola nas tribulações, fortalece-nos para seguirmos o caminho da salvação, anima-nos nas desconfianças, e abrasa-nos em amor pela recordação de que o nosso Redentor tem padecido para nos salvar.

Finalmente este nome é medicina para a alma, porquanto nos torna fortes contra as tentações dos nossos inimigos. O inferno treme e foge ao ouvir a invocação deste santo Nome, segundo nos afirma o Apóstolo:

In nomine Iesu omne genu flectatur, coelestium, terrestrium et infernorum (6) – “Ao nome de Jesus dobre-se todo o joelho no céu, na terra e nos infernos”

Quem jamais se perdeu, depois de ter invocado nas tentações o nome de Jesus? Perde-se quem não chama Jesus em seu auxílio, ou deixa de invocá-lo quando a tentação continua (7).

III. Ó meu Jesus, se eu Vos tivera sempre invocado, nunca teria sido vencido pelo demônio. Perdi miseravelmente a vossa graça, porque nas tentações me descuidei de Vos chamar em meu auxílio. Ponho toda a minha esperança em vosso santo Nome: Omnia possum in eo qui me confortat (8) – “Tudo posso naquele que me fortalece”. Gravai, ó meu Salvador, gravai em meu pobre coração o vosso poderosíssimo Nome, afim de que, tendo-o sempre também na boca invocando-o em todas as tentações, que o inferno me prepara afim de me ver novamente seu escravo e separado de Vós. Em vosso nome acharei todo o bem. Nas aflições ele me consolará, pela lembrança que Vós tendes estado muito mais aflito por meu amor. Na desconfiança que me vier por causa dos meus pecados, animar-me-á, lembrando-me que viestes ao mundo exatamente para salvar os pecadores. Nas tentações o vosso nome me dará força, porque me recordará que Vós sois mais poderoso para me ajudar do que o inferno para me vencer; finalmente na minha frieza em vosso amor, o vosso nome restituir-me-á o fervor pela recordação do amor que me tendes tido.

Amo-Vos, ó meu Jesus; Vós sois, e como espero, sereis sempre o meu único amor. Ó Jesus meu, eu Vos dou todo o meu coração, só a Vós quero amar, e quero invocar-Vos o mais frequentemente possível. Quero morrer com o vosso nome nos lábios, porque é nome de esperança, nome de salvação, nome de amor.

– Ó Maria, se me tendes amor, eis aí a graça que me deveis impetrar: fazei com que eu invoque sempre o vosso nome, o de vosso filho e o de vosso castíssimo Esposo. Fazei que os vossos nomes dulcíssimos sejam a respiração de minha alma, e que sempre repita em vida, para depois repeti-lo na morte: Jesus e Maria, ajudai-me; Jesus e Maria, eu Vos amo! + Jesus, José e Maria, fazei que a minha alma expire em paz na vossa companhia (9).

Ó Pai Eterno, que constituístes a vosso Filho unigênito Salvador do gênero humano, e mandastes se lhe desse o nome de Jesus: concedei benigno que, venerando na terra seu santo nome, gozemos também de sua divina presença no céu. Fazei-o pelo amor do mesmo Jesus Cristo, nosso Senhor.” (10)

Referências:

(1) Lc 1, 31
(2) Fl 2, 9
(3) At 4, 12
(4) Ct 1, 2
(5) Mc 16, 16
(6) Fl 2, 10
(7) 25 dias de indulgências para quem invoca o nome de Jesus e de Maria
(8) Fl 4, 13
(9) Indulgência de 300 dias, cada vez
(10) Or. fest.

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo I: Desde o Primeiro Domingo do Advento até a Semana Santa inclusive. Friburgo: Herder & Cia, 1921, p. 108-111)